sexta-feira, 15 de maio de 2009

Educação I

Como disse, vou começar a postar textos que incluímos em nosso projeto, que são frutos de pesquisas na internet, muitos copiados e adaptados de sites oficiais, e outros de textos que fomos encontrando pelo caminho, em blogs, sites especializados, etc. Copiados ou não, creio serem de suma importância para todos, como foram para nós, então porque não compartilhá-los?

Existem dois sistemas públicos de escolas públicas na cidade, um encarregado de atender alunos cujo idioma materno é o francês, e outro para atender alunos primariamente anglófonos. Os pais também podem optar por deixar suas crianças no sistema católico de ensino, que é subsidiado pelo município.

O sistema de bibliotecas públicas de Montreal compõe-se de uma biblioteca central e de outras, menores, ao redor da cidade. Enquanto a maioria das edições de enciclopédias e outros livros importantes sejam em francês, outras coleções, livros e revistas podem ser encontradas em inglês e mesmo em outros idiomas, das quais as mais comuns são em italiano, chinês, português, espanhol e em árabe, entre outros.

Montreal possui a maior população universitária per-capita da América do Norte, devido às suas quatro universidades, sendo duas delas altamente reconhecidas na América do Norte: a Universidade McGill (que ensina em inglês) e a Universidade de Montreal (que ensina em francês). Outras universidades na região metropolitana de Montreal são a Universidade Concórdia, a Universidade de Quebec em Montreal, e na cidade vizinha de Longueuil, a Universidade de Sherbrooke em Longueuil. Montreal possui também várias faculdades.

No Quebec, todas as crianças morando na província são obrigadas a freqüentar, no sistema escolar público, escolas que ensinam apenas em francês. Exceções incluem adolescentes que fizeram de seus estudos em inglês e no Canadá, filhos de pais que tiveram seus estudos em inglês e no Canadá, filhos de pais cujos irmãos/irmãs estão estudando em inglês no Canadá, ou se o pai das crianças optar por colocá-las no ensino privado. Atendimento escolar é compulsório para todas as crianças e adolescentes com mais de seis anos de idade, até a conclusão do segundo grau ou até os dezesseis anos de idade.

Em 2006, cerca de 17% das crianças da província estudavam em escolas privadas, a taxa mais alta do Canadá — escolas privadas são inclusive freqüentadas por estudantes de classe média baixa. Escolas privadas são subsidiadas pelo governo de Quebec. No total, são 13 séries de ensino — treze anos de estudo — um a mais do que no resto do Canadá. Em 1999, as escolas públicas da província atenderam cerca de 1.023 milhões de estudantes, empregando aproximadamente 63 mil professores. Escolas privadas atenderam cerca de 120 mil estudantes, empregando aproximadamente 5,6 mil professores. O sistema de escolas públicas da província consumiu cerca de 7,75 bilhões de dólares canadenses, e o gasto das escolas públicas por estudante é de aproximadamente 6,9 mil dólares canadenses.

O Quebec é conhecido pelas suas instituições de ensino superior de qualidade, e, especialmente, de baixo custo — pois o ensino superior é pesadamente subsidiado pela província, mais no que no resto do país. Estudantes podem optar por estudar em universidades, em CEGEPs ou faculdades.

O sistema educacional possui quatro níveis de ensino: o ensino fundamental (incluindo o pré-escolar), o ensino médio, o ensino técnico pré-universitário e o ensino universitário.


A educação pré-escolar, primária e secundária, é gratuita nas escolas do setor público. A administração das escolas públicas compete a comissões escolares, sob o controle do Ministério da Educação, que as financia e lhes determina a natureza dos serviços educativos. As escolas públicas são laicas.

O ensino fundamental possui seis anos de escolaridade, divididos em três ciclos de dois anos. A idade de admissão no primeiro ano é de seis anos, e a freqüência escolar é obrigatória até a idade de 16 anos. Entretanto, a maioria das crianças entra para a escola um ano antes, para o maternal facultativo de tempo integral. Algumas crianças deficientes físicas ou advindas de um meio desfavorecido podem também freqüentar o maternal a tempo parcial, desde a idade de quatro anos.

O ensino fundamental se concentra nas matérias fundamentais da formação geral e favorece o desenvolvimento global da criança. Ele visa o desenvolvimento progressivo da autonomia da criança e prepara sua entrada no ensino médio. As escolas de ensino fundamental e as escolas de ensino médio públicas são de responsabilidade dos conselhos escolares, organismos dirigidos por um grupo de administradores eleitos por voto universal.

O ensino médio oferece uma formação geral de cinco anos, dividida em dois ciclos. No primeiro ciclo, que dura três anos, os alunos consolidam a formação do primário e começam a se orientar no plano profissional. A partir do terceiro ano, a formação geral oferece disciplinas opcionais, onde os alunos exploram diferentes áreas (ciências, artes, etc.). Ao final dos cinco anos de ensino médio, os alunos obtêm um diploma de estudos secundários (DES) que lhes dá acesso aos estudos profissionalizantes, e não diretamente à universidade. É importante notar que em 2003, a taxa de obtenção de um primeiro diploma de estudos secundários foi de 82% entre jovens e adultos somados. Esta taxa está acima da média de 78% dos países da OCDE como um todo.

O segundo ciclo do ensino médio oferece igualmente programas de formação profissional que levarão à prática de uma profissão. Alguns destes programas começam desde o terceiro ano. Mais de 170 programas de formação profissional, divididos em 21 setores de formação, permitem aos jovens e adultos obter um diploma de estudos profissionais (DEP) seguido, eventualmente, de um atestado de especialização profissional (ASP). Após o terce iro ano do secundário é possível também seguir um programa de formação com vistas a um atestado de formação profissional (AFP) que habilita o aluno para exercer uma profissão semi-especializada.

Uma das particularidades do sistema educacional do Quebec é o ensino técnico pré-universitário, um nível de ensino que se situa entre a educação obrigatória do ensino fundamental e médio e os estudos universitários.

Existem no Quebec cerca de 50 cégeps, isto é, estabelecimentos públicos de ensino técnico pré-universitário. Além disso, existem também 21 estabelecimentos de ensino técnico pré-universitário privados e subvencionados que, como os cégeps, oferecem programas de formação pré-universitária de dois anos e programas de formação técnica de três anos para a obtenção de um diploma de estudos técnicos pré-universitários (DEC). Todos estes estabelecimentos oferecem igualmente programas de formação técnica mais curtos que concedem um atestado de estudos técnicos pré-universitários (AEC).

A obtenção de um diploma de estudos técnicos pré-universitários é obrigatória para a entrada na universidade. A formação pré-universitária prepara para a entrada direta na universidade, ao passo que a formação técnica prepara primeiramente para o mercado de trabalho. Entretanto ela também permite a entrada na universidade, com algumas condições. Os cégeps são regidos por uma lei própria e são administrados por um conselho de administração composto de professores, estudantes e representantes da comunidade local.

Esta estrutura do ensino é uma particularidade da Província do Quebec. Nas outras províncias canadenses, o estudante que termina o curso secundário pode pleitear sua matrícula numa universidade imediatamente. Os CEGEPs são instituições de ensino de nível intermediário, entre o secundário e o universitário.
• pré-universitário: com duração de dois anos, após os quais o aluno entrará na universidade, onde se especializará;
• técnico ou profissionalizante - com duração de três anos, após os quais o aluno se graduará como técnico em alguma especialidade.

Na sistemática canadense, o primeiro ano do CEGEP corresponde ao último ano do segundo grau. Dessa forma, o segundo ano do CEGEP corresponderia ao primeiro ano de um curso de nível superior. A possível equivalência com curso universitário no Brasil é determinada, caso a caso, pela universidade brasileira envolvida.

O ingresso no CEGEP somente é válido para os estudantes com idade correspondente ao seu nível escolar (entre 17 e 22 anos). Os interessados devem procurar o departamento para alunos estrangeiros das universidades, cujas informações também podem ser encontradas via Internet, como por exemplo, o excelente guia criado pela Universidade Concórdia para estudantes estrangeiros (http://supportservices.concordia.ca/iso/).

Desde há alguns anos, o Quebec enfrenta uma demanda crescente em várias profissões, principalmente nas profissões especializadas. É por isso que ele dá uma importância especial à formação profissional e técnica. A elaboração de programas é feita em colaboração com o mundo do trabalho, para assegurar a pertinência da formação oferecida e adaptar os programas às novas necessidades. Existem no total, cerca de 300 programas de formação profissional e técnica, agrupados em 21 setores de formação. Eles são oferecidos no ensino médio ou no técnico pré-universitário, de acordo com o nível de complexidade da profissão escolhida e as habilidades lingüísticas, matemáticas ou científicas que eles requerem. Os programas da formação profissional são oferecidos no ensino médio, nos estabelecimentos chamados de centros de formação profissional. Eles preparam para o exercício de profissões especializadas ou semi-especializadas, mas em alguns casos, os que possuem um diploma de estudos profissionais podem continuar seus estudos no cégep. Os programas de formação técnica são ministrados no ensino técnico pré-universitário, nos cégeps e nos estabelecimentos privados. Eles conduzem a empregos técnicos, ao final de uma formação mais longa e também mais diversificada.

3 comentários:

Taty disse...

ótimo post... uma dúvida que eu tenho... os residentes permanentes pagam o mesmo valor em universidades do que os canadenses? nessas "andanças" de vcs pela net, acharam alguem falando de faculdade noturna??? (como temos no br)...

beijcoas

Júnior disse...

Oi Taty!
Sobre o valor da universidades, uma vez residente permanente você paga o mesmo valor que o canadense.
Sobre cursos noturnos, acredito ser possível, visto que o nosso próprio entrevistador me aconselhou a fazer cursos noturnos, pois contaria com o dia para trabalhar e a noite para estudar, enquanto faria minha equivalência de diploma. Então acredito que existem os cursos noturnos sim, mas não tenho certeza, só te repondo com base no que falei acima.

Alberto disse...

Blz Pessoal!!

A minha professora e o marido dela se formaram em Montreal e existem cursos noturnos, mas eles são beeemm mais longos!!!! Como a carga horária é reduzida ela demorou mais de 6 anos para se formar.

Abraço